Supermercado Couto

Polícia Civil reforça importância da denúncia de violência contra crianças

Neste sábado (4) é celebrado o Dia Internacional das Crianças Vítimas de Agressão. A data reforça a importância da união de esforços no combate à violência contra as crianças. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1982, com o objetivo de chamar a atenção para o tema e alertar a sociedade sobre os efeitos negativos dos diversos tipos de violência e agressão contra as crianças.

De acordo com a Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim), da SSP,  de 2019 a 30 de maio de 2022, foram mais de 10 mil ocorrências criminais que tiveram como vítimas pessoas de até 17 anos. Ainda conforme a CEACrim, até o mês de maio de 2022 foram registrados mais de 250 casos de crimes contra a dignidade sexual tendo como vítimas crianças e adolescentes de 0 a 17 anos. Em 2021, durante todo o ano, foram contabilizadas 736 ocorrências. 

As práticas mais comuns, neste ano de 2022, foram as de estupro de vunerável (192 casos), estupro (30), importunação sexual (32) e favorecimento da prostituição de criança, adolescente ou vulnerável (10). Apenas no ano de 2021, foram registrados 525 casos de esupro de vulnerável, 76 de importunação sexual, 61 de estupro e 17 de favorecimento da prostituição de criança, adolescente ou vulnerável.

A delegada Vanessa Moura, da Delegacia de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) de Lagarto, destacou que a data é mundial e reforça a importância do combate à agressão infantil. A delegada reforçou que Sergipe conta com unidades especializadas de atendimento às crianças vítimas de violência.

“A Polícia Civil hoje conta com as delegacias especializadas de atendimento aos grupos vulneráveis tanto na capital, em Aracaju, como também no interior do estado. Nós atuamos nesse combate à violência infantil e estamos aptos e prontos para receber as vítimas e acolhê-las”, ressaltou.

Conforme a delegada, as agressões mais comuns contra as crianças acontecem no âmbito familiar. “São agressões cometidas por pessoas próximas, familiares e vizinhos, e envolvem violência física, sexual e negligência por parte dos familiares, das pessoas que estão responsáveis pelo cuidado”, explicou.

A delegada ressaltou que toda a população pode denunciar. “É muito importante que a população denuncie tanto pelo 181, que é um canal de denúncia anônima, como também fisicamente nas delegacias, para que a gente tome conhecimento e possa investigar e acompanhar com toda a rede de proteção. Além disso, a Polícia Militar pode atender os casos de flagrante pelo telefone 190 e há ainda o Disque-100”, concluiu Vanessa Moura.

PUBLICIDADE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui