• Supermercado Couto Lagarto - O melhor supemercado da região bem pertinho de você

Laudo pericial do caso Genivaldo é concluído e confirma a causa da morte por asfixia

45sdf45s465dg645

O laudo pericial do caso Genivaldo, que investigava a causa da morte da vítima, foi concluído pelo Instituto Médico Legal (IML), na manhã desta sexta-feira (2).

Vitor Barros, diretor do IML, confirmou que Genivaldo morreu por asfixia mecânica, decorrente da ação de um agente químico.

“Após a análise de três laudos, constatamos a morte por asfixia mecânica causada pela obliteração total das vias aéreas, o que fez com que o indivíduo não pudesse realizar a troca entre oxigênio e gás carbônico, vindo a falecer. Foi constatado, também, que a árvore brônquica dele apresentava reação inflamatória intensa, o que causou a obliteração”, explicou o diretor.

Ainda de acordo com Vitor, foi comprovado que não houve inalação de monóxido de carbono, podendo-se afirmar que Genivaldo morreu logo nos primeiros momentos da abordagem, e não pela combustão do gás.

Informações exclusivas também foram concedidas pelo perito criminal, Ricardo Leal, que investigou as possíveis substâncias presentes no corpo de Genivaldo, a partir de um exame toxicológico.

“Nós investigamos se Genivaldo estava sob efeito de álcool, considerando que ele foi parado em uma blitz de trânsito, mas ele não estava. Investigamos também se ele estava utilizando drogas ou medicamentos e verificamos apenas quetiapina, um remédio antipsicótico, em uma quantidade dentro da faixa terapêutica”, detalhou Ricardo.

Ainda segundo Vitor, a participação do IML no caso se encerra com a conclusão do laudo, que será encaminhado para o Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Rodoviária Federal (PRF) para que as devidas medidas sejam tomadas.

Relembre o caso

Em maio deste ano, Genivaldo de Jesus Santos, que tinha problemas mentais e esquizofrenia, morreu após abordagem realizada pela Polícia Rodoviária Federal, em Umbaúba. Imagens circularam pela internet e veículos de imprensa do momento exato da ação, em que policiais imobilizaram Genivaldo e o prenderam dentro da viatura. Com mãos e pés amarrados, o homem foi colocado dentro do porta-malas da viatura. Lá, foi liberado gás lacrimogêneo que provocou a morte de Genivaldo, por asfixia mecânica e insuficiência respiratória.

Fonte: Portal A8

PUBLICIDADE
  • Minas Telecom

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui